domingo, dezembro 20, 2009

Shakespeare - Soneto CV

Let not my love be call'd idolatry,
nor my beloved as an idol show,
since all alike my songs and praises be
to one, of one, still such, and ever so.
kind is my love today, tomorrow kind,
still constant in a wondrous excellence,
therefore my verse to constancy confin'd,
one thing expressing, leaves out difference.
Fair, kind, and true, is all my argument,
fair, kind, and true, varying to other words,
and in this change is my invention spent,
three themes in one, which wondrous scope affords.
Fair, kind, and true, have often liv'd alone,
which three till now, never kept seat in one.

Oh! ninguém chame idolatria o meu amor,
nem dê por ídolo quem alvo é desse preito,
porque todo o meu canto e todo o meu louvor
são para alguém, de alguém, e sempre, e de um só jeito.
Meu amor hoje é afável, amanhã afável,
sempre constante numa esplêndida excelência:
logo meu verso, limitado ao invariável,
exprime uma só coisa, e exclui a impermanência.
"Bom, belo e verdadeiro" - é um só argumento,
"Bom, belo e verdadeiro" - em vária locução:
Nessa mudança absorvo tudo quanto invento,
três temas postos num, de amplíssima extensão.
"Bom, belo e verdadeiro" alheios têm vivido:
Num ser ainda não se haviam reunido.

Tradução de Péricles Eugênio d Silva Ramos

Um comentário:

Anônimo disse...

Adoro este soneto