segunda-feira, março 16, 2020

Sólon, frs. 25 e 26

Fragmento 25
Plutarco, Amatório, 5.751b
Muito boa, por Zeus, – ele disse – esta menção a Sólon; ele nos serve de expoente para o homem erótico:

Até amares um menino com a flor da sedutora juventude
      desejando suas coxas e sua doce boca....

Fragmento 26 
Plutarco, Amatório, 5.751e
Daí eu acho que Sólon escreveu esses versos (fragmento 25) quando ainda era novo e “repleto de muito sêmen”, como diz Platão (Leis, 8, 839b), e estes quando havia se tornado ancião:

Feitos da Ciprígena* ora me são caros, de Dioniso
e das Musas, que aos homens dão alegria.

*Afrodite, a nascida em Chipre.

domingo, março 01, 2020

Lendo Homero em tradução no século XIX


José Agostinho de Macedo*, Motim Literário em Forma de Solilóquios, Lisboa: Tipografia José da Rocha, 1841, p.44-45.


“O peso e a autoridade dos séculos nunca me pode mover, eu não conheço nestas coisas de sua natureza frívolas (e que importam versos) outro tribunal mais que o da razão. Para julgar por mim mesmo, capitulei com a minha paciência, que ela aturaria de fio a pavio a leitura do eterno Homero, que devoraria a Ilíada e Odisseia sem lhe faltar um jota: assim sucedeu, e como eu não sei Grego, li a tradução de Clark em Latim, mais zangado fiquei, mais aborrecido, que é tão literal e tão chã, que provoca a cada instante a vômito, cada página são oito grãos de tártaro emético. Lancei mão de Dacier, a mais fanática de todos os panegiristas do pai Homero, eis aqui uma verdade, a minha paciência esteve para ser francesa, quebrantando logo a capitulação, apenas pude aturar de cabo a rabo a sonolentíssima leitura do narcótico Homero. Talvez isso seja uma blasfêmia aos olhos do pai Apolo. Mas porque motivo este nume dos glosadores não me quer favorecer, com suas benignas influências, quando leio o pai Homero? Por que não escalda minha imaginação e a faz ferver em ponto de poder sentir e gostar todas as belezas da divina Ilíada, que tantos povos, e tantos homenzarrões sábios e taludos têm admirado há quase três mil anos?”


* José Agostinho de Macedo (1761-1830) foi um padre e poeta português. Autor de vasta obra e figura bastante controversa em seu tempo, ficou na verdade mais conhecido como intenso crítico de Camões, ao qual tentou corrigir com seu próprio poema épico, Oriente (1814) e uma alentada Censura das Lusíadas (1820).




sábado, fevereiro 29, 2020

Os Filhos de Tupã - José de Alencar


I
Ao deserto, minh'alma! Sôbre os píncaros
Da branca penedia, e enquanto o vento
Nos antros da montanha ulula e brame,
Solte a rude pocema o canto fero
Dos filhos de Tupã. E ruja a inúbia
Troando pela várzea os sons bravios.

II
Salve, Amazonas! Rei dos reis das águas,
Iumuí dos rios, filhos do dilúvio!
Mar, que do bôjo golfas tantos mares,
Fonte do abismo que sorveu a América,
E mais tarde, -quem sabe? -há de sumi-la.
Salve, Amazonas! Como o sol és único,
Gigante, que o maior dos oceanos
Gerou nos flancos da maior montanha!
Monstro vorace, o mundo tragarias
Se Deus, te sofreando a fúria indômita,
Não curvara em princípio o vasto Atlântico,
E só para contar-te a imensidade.
És origem do líquido elemento
Que circunda o universo? Es tu que pejas
Do pélago sem fim as profundezas,
Onde matam a sêde o céu e a terra?
És pai das ondas, ou tirano delas?
Colosso ingente, que fundiu em águas
O verbo de um artista onipotente,
A cabeça reclina sôbre os Andes
Ao céu rasgando as largas cataratas;
O dorso enorme ressupino estendes
Pela terra que verga com teu pêso;
Os mil braços, que alongas pelas serras,
Abrangem tanto espaço que outros mundos
Couberam inda neste mundo nôvo,
Feito para teu berço. Com desprêzo
Aos pés o colo esmagas do oceano,
Que mugindo se roja pelas praias;
Mas prostrado e vencido, não vassalo,
O mar soberano às vêzes se revolta.
Alçada a fronte, a juba desgrenhada,
S'eriça e raia e ruge e ronca e troa;
E a longa, imensa cauda destorcendo,
Te enlaça o corpo no impotente esfôrço.