quinta-feira, fevereiro 09, 2017

Hino Órfico 81: Zéfiro, Vento Oeste

<Ζεφύρου>, θυμίαμα λίβανον.

Αὖραι παντογενεῖς Ζεφυρίτιδες, ἠεροφοῖται,
ἡδυπνοοι, ψιθυραί, † θανάτου ἀνάπαυσιν ἔχουσαι,
εἰαριναί, λειμωνιάδες, πεποθημέναι ὅρμοις,
σύρουσαι ναυσὶ τρυφερον †ὅρμον, ἠέρα κοῦφον·
ἔλθοιτ' εὐμενέουσαι, ἐπιπνείουσαι ἀμεμφεῖς,
ἠέριαι, ἀφανεῖς, κουφόπτεροι, ἀερόμορφοι.

De Zéfiro, Fumigação: Olíbano

Brisas Zefíreas que tudo engendrais, errantes no ar,
doces sopros, sussurros, tendes o conforto da morte,
vernais Deusas dos prados, desejadas nos portos,
trilhando com naus um abrigo gentil, ó vento sutil,
peço-te: vinde benfazejas, impecáveis soprando sobre nós,
Invisíveis no ar, alígeras e aeriformes.

Tradução: Rafael Brunhara

4 comentários:

Rosa Borges disse...

Belíssimo! Uma belíssima tradução do grego, numa época em q deuses teciam a alma humana... Acho q devemos aprender mais com os gregos antigos.

Alexandre Brito disse...

Olá, Rafael Brunhara. Você pretende publicar uma edição bilíngue
dos hinos órficos, baseada nas traduções feitas por você?

Rafael disse...

Oi, Alexandre.

Obrigado pelo comentário e pelo interesse!

Sim, uma edição bilíngue dos Hinos Órficos, acompanhada dos Hinos Homéricos e dos Hinos de Proclo, vai ser publicada ainda esse ano.

Abraço!

Alexandre Brito disse...

Olá novamente, Rafael. Obrigado por responder.

Já há um certo tempo que tenho acompanhado seu blog e fico feliz por saber que você publicará uma edição bilíngue.

Desejo sucesso a você e a sua publicação, e de minha parte tenha certeza de que comprarei seu livro.

Grande abraço.