sexta-feira, novembro 20, 2009

Álcman, Fragmento 59 a

Eros, de novo, de Chipre adrede
doce derrama-se e acalenta meu peito

[Tradução: Rafael Brunhara]

Nenhum comentário: